MENU - 26ª BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DE SÃO PAULO 2022

QUEM SOMOS

Edição, impressão e comercialização de livros em pequenas tiragens desde 1982.

A Scortecci nasceu em agosto de 1982, uma sexta-feira 13, na Galeria Pinheiros, loja 13, na Rua Teodoro Sampaio 1704, São Paulo, Capital. 

Já publicou mais de 10 mil títulos em primeira edição.

Prêmios editoriais: Jabuti (Câmara Brasileira do Livro), APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), FBN (Fundação Biblioteca Nacional), ABL (Academia Brasileira de Letras) e PEN Clube. 

Foi finalista do Prêmio Jabuti (Câmara Brasileira do Livro), por mais sete vezes, nas categorias: Poesia, Contos, Reportagem e Adaptação.

Possui gráfica própria desde 1986 com tecnologia digital, acabamento de qualidade, sofisticado controle de vendas online e central de logística com infraestrutura completa para atender pedidos de qualquer lugar do Brasil. 

A Scortecci é associada da CBL (Câmara Brasileira do Livro), da Abigraf (Associação Brasileira da Indústria Gráfica) e do SNEL (Sindicato Nacional dos Editores de Livros).

Desde 1994, a Scortecci marca presença na Bienal Internacional do Livro de São Paulo, com estande próprio e programação intensa. Foram catorze participações, de 1994 a 2020 e uma participação no Salão do Livro de São Paulo em 1999.

Em sua história conserva os mesmos objetivos e propósitos desde a sua fundação: editar, imprimir e comercializar livros, promover e apoiar concursos e prêmios literários, realizar recitais e leitura de textos, participar de feiras e bienais do livro, organizar antologias literárias, realizar cursos, palestras e oficinas sobre o livro e a arte de escrever, trabalhar pela formação e ampliação de bibliotecas públicas e comunitárias e fomentar o hábito da leitura.

Comercializa seus títulos nas livrarias: Asabeça, Amazon, Magalu, Livraria Martins Fontes (Paulista), Livraria do Mercado e Estante Virtual. 

Demais canais de comercialização atende através da Distribuidora Inovação.



OS PRIMÓRDIOS DA BIENAL DO LIVRO DE SÃO PAULO

A primeira feira do livro em São Paulo, realizada pela CBL - Câmara Brasileira do Livro, data de 1951.

O objetivo da entidade - além de promover o livro e fomentar o mercado editorial e gráfico brasileiro - era introduzir, no país, a tradição europeia das feiras de livros, realizadas na França, na Alemanha e na Itália.

Com o nome de “Feira Popular do Livro”, foi realizada em agosto de 1951, na Praça da República, região central da cidade de São Paulo.

A experiência repetiu-se no ano de 1956, dessa vez no Viaduto do Chá, ponto ainda mais central da capital paulista e com maior fluxo de pedestres.

Em 1961, em parceria com o Museu de Arte de São Paulo – que até 1968 funcionou na Rua Sete de Abril, centro da cidade - foi promovida a primeira “Bienal Internacional do Livro e das Artes Gráficas”, evento que se repetiu em 1963 e 1965, com apoio de editoras, livrarias e gráficas.

Em 1970 – de 15 a 30 de agosto - a CBL promoveu e realizou, de forma oficial e independente, no Pavilhão da Bienal no Parque do Ibirapuera, a 1ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, marco na história da entidade e do mercado editorial brasileiro.

Pesquisando sobre a participação da indústria gráfica nas bienais do livro entre 1963 e 1965, o que descobri – se necessário, corrijam-me, por favor - remete à informação que parte das grandes editoras brasileiras dos anos 1970 eram também empresas gráficas.

Desde 1994, a Scortecci marca presença na Bienal Internacional do Livro de São Paulo, com estande próprio e programação intensa. Foram catorze participações, de 1994 a 2020 e uma participação no Salão do Livro de São Paulo em 1999.

Em 2020, data do seu cinquentenário, por causa da pandemia de Covid-19, não pôde ser realizada, infelizmente.

Em 2022, a Bienal Internacional do Livro de São Paulo completará 52 anos. Uma data a ser comemorada!

Junte-se a nós!

João Scortecci